Como a Geração Z está mudando as regras do jogo nas Redes Sociais

O uso de mídia social continua a evoluir a um ritmo acelerado – e, à medida que a Geração Z continua a invadir o mercado de trabalho, os aplicativos e marcas que desejam tirar proveito dela têm que ter um foco mais bem definido.

Essa é a ideia por trás do primeiro de uma nova série de relatórios da ZAK, uma agência de criação sediada em Londres que pretende “criar grandes ideias de marca que engajem pessoas com menos de 30 anos”, em suas próprias palavras. O primeiro artigo explora a disparidade entre as redes sociais tradicionais e as comunidades de jogos e as lições que podem ser aprendidas pelas marcas desta análise.

De entrevistas com mil jovens de 20 e poucos anos – ou até mais jovens – o relatório constatou que quase dois em cada cinco (38%) usam o Facebook apenas como serviço de mensagem. Em outras palavras, os usuários não estão mais gastando muito tempo na plataforma, o que significa que existe uma discordância entre os interesses e o serviço prestado.

“A morte do Facebook tem sido muito exagerada”, explica o relatório. “É verdade que o uso se estabilizou, assim como a TV no século 21, mas isso é apenas uma fase de alcançar massa crítica, em vez de migração em massa. A geração pós-millenial usa as camadas da mídia social com maior propósito e intenção específica ”.

O Facebook, no entanto, ainda funciona bem para menos de 30 anos quando se trata de ativismo ou organização de eventos. “O Facebook funciona bem ao tentar mobilizar massa de pessoas e ser visto além de seu círculo imediato de interesses ou conexões”, observa o relatório. “O envio de mensagens é a principal razão pela qual eles continuam a usar as redes sociais tradicionais”.

Em última análise, as regras mudaram. Para criar uma comunidade de mídia social bem-sucedida, a escala e a segmentação estão fora, enquanto a profundidade e a autenticidade estão dentro.

 

Deixe um comentário

WhatsApp chat